segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A Erva Mate e o Porongo


O Porongo, propriamente dito, já era conhecido pelos Índios Guaranis no ano de 1580, quando então receberam os Jesuítas de Manoel da Nóbrega que prontamente se apresentaram para vir ao Guairá. Eles serão os pioneiros da Companhia de Jesus no Paraguai, eles, os Jesuítas da província de Portugal. Sofreram rivalidades e acusações infundadas, prisão, ferro e humilhações.

Estiveram quase perto de Porto Alegre, pois andaram na Aldeia dos Anjos (hoje Gravataí), foram embrulhados devidamente pelo astuto Cacique Anjos, e só desistiram do sul porque eles iam fatalmente entrar em choque de interesses com os Jesuítas Castelhanos, que desde Lima, Peru, avançavam pelo sul e para o leste.

Pois foi no Guairá que os Jesuítas encontraram a “Erva do Diabo” uma droga que tirava o cansaço dos índios e fazia com que não sentissem a fome e até excitava-os sexualmente.

Era muito fácil fazer o tal chá. Primeiro, os índios colhiam a erva no mato ("Caa", em Guarani, quer dizer tanto mato como erva), sapecavam ligeiramente as folhas com os restinhos dos galhos segados, amarravam um feixe com essas ramas por cima do fogo e alí ficava tudo, balanceando e ressecando devidamente. Quando as folhas estavam estalando e se rachando, era só socá-las num pilão de madeira dura com um toco longo, fino e cabeçudo, chamado de "Mão de Pilão." Tinha-se assim, e em menos de uma semana, erva pronta para o preparo do tal chá Guarani.

Era assim: O índio pegava o fruto de uma planta (Legionária Vulgaris, uma das curcurbitáceas, portanto parente da velha abóbora campeira) chamada de "Porongo", em forma de oito. À parte de cima, a parte menor do oito, era cortada e deixada para secar. Então ficava pronta a cuia, recipiente do tal chá.

fonte: www.chimarrao.com

Um comentário:

  1. Não adianta tentar com cuias falsas de madeira, vidro ou cerâmica.
    Mate é no porongo !

    ResponderExcluir